Atentados ambientais a SALDO!

O que dizer perante tão grave medida?

Quando se tomam medidas com base em defesas e sustentabilidade de recursos e depois se tomam medidas tão vergonhosas como estas o que existe para dizer?

Quando se defende o património natural e se esquece que são atentados enquadrados no ambiente que cessam outras medidas a curto e médio prazo, entramos no pressuposto de que valerá a pena serem tomadas outras medidas quando, por exemplo, os autos aos pescadores lúdicos são uma autentica aberração, e será justificativo isso, será que são os cidadãos portugueses que tem como actividade lúdica a pesca que podem acarretar os valores exorbitantes das coimas, para alem das licenças que tem de pagar.

Uma actividade lúdica pressupõe o lazer, quando esta actividade lúdica não interfere directamente nos atentados ambientais como a poluição atmosférica, dos terrenos agrícolas por pesticidas e por resíduos agrícolas, nas contaminações de lençóis freáticos, nas contaminações de linhas de água por parte das actividades pecuárias e agrícolas, etc.

Existem um sem número de “esquecimentos” na preservação ambiental por parte das autarquias, empresas públicas e privadas, com esta medida levada a cabo pelo Governo, com base na “protecção” de pequenas e médias empresas é sem duvida completamente absurda e sem nexo. Mais poderemos afirmar que sem duvida a medida tida em conta de baixar as coimas não foram nem serão dissuasoras, levando quem pratica (e não são poucos) a ficarem com essa “benesse”, ou melhor incentivando a essas práticas.

Se as leis existem serão obviamente para serem cumpridas estejamos ou não em crise, e não existe nenhum fundamento para que se beneficie, nos tempos que correm, aqueles que mais danos cometem contra o ambiente, mais grave ainda é sem sombra de duvidas o passo em frente e o recuo do Governo quando legislou sobre esta matéria em 2005.

A protecção do nosso património ambiental, todo ele sem excepção, é sem margem para duvidas a herança que deixamos as gerações vindouras.

A criação do regime especial para os “arrependidos” então soa verdadeiramente a palmadinhas nas costas, então no caso de haver um suinicultor que proceda a uma descarga de resíduos para um leito de ribeira ou rio, pode aclamar que teve um acidente e se mostra arrependido sem que seja admoestado com um auto à altura, pura e simplesmente situações de bradar aos céus.

Como diz um conhecido meu “é o poder do grande capital” (com praticas e acções destas vão deixar Portugal completamente de rastos e cada vez mais à mercê do grande capital e das ordens de Bruxelas).

Com medidas destas só vão enterrar ainda mais isto, não basta as coimas que tem pago à EU por poluição excessiva, a “Pseudo” tutela do ambiente vem uma vez mais inovar.

Então porque não toma o dito Concelho de Ministros medidas em torno de toda a legislação com base na justificação que deram “conferir ao regime aplicável às contra-ordenações ambientais um carácter mais adequado ao quadro sócio-económico do país, ajustando a punição à necessidade de não comprometer a subsistência de pessoas singulares e de pessoas colectivas de pequena e média dimensão”. Mas o que vem a ser isto???

Ora daqui para a frente os atentados ambientais e como os crimes compensam, os atentados também, uma vez que estão em saldos!


6 comentários:

Pedro batalha disse...

Olá Fernando
É verdade, andámos para trás em matérias tão importantes como o ambiente.
Não entendo o que se passa com estes pseudo-politicos, deve haver muito interesse politico/económico por detrás de medidas como estas.
Entretanto estou a juntar uma serie de elementos fotográficos, para contra pôr a este tipo de idealogia.
É que há tanta coisa ainda para fazer e assim no futuro será muito mais difícil recuperar.

Abraço com tristeza

Sargus disse...

Viva Pedro.

Sim Pedro, assim é como o carangueijo, um passo para a frente e dois para trás...

Tudo isto são interesses secundarios que são camuflados por interesses fundamentados em sustentabilidade, preservação, defesa ambiental, etc, quando na realidade isto começa a parecer um pais de terceiro mundo vendido aos interesses de terceiros, e onde esta verdadeiramente a preservação, defesa, politica ambiental, o pessoal esquece-se tão rápido das alterações climatéricas e declineo das espécies...

Viver a curto prazo, vendindo isto em troca da destruição rápida e abusiva de interesses...

Abraço.

Anónimo disse...

Pois é, bem pode o amigo Fernando contrapôr o que quiser pois que esse seu intento só mostra como é ingénuo.

Esses tipos do Ambiente sabem perfeitamente que não têm razão. Eles vão rir-se de si, pois que tudo isso é óbvio, não precisa de documentação fotográfica.

Para mim, só há uma solução correr o ministro, secretário de Estado, Presidente do ICNB, todos os directores regionais dos parques e bem assim com toda a cambada de fundamentalistas que aconselham e preparam todo este tipo de medidas.

Essa gente não merece nem pode estar nesses lugares da administração pública.

Eles confundem o direito a um ambiente saudável com essa história da conservação da biodiversidade e tratam tudo da mesma maneira, ou seja, você merece a mesma censura se envenena as águas ou se deixa de declarar um poço na sua propriedade, se pescar no defeso ou se fizer um muro na rede natura 2000 sem autorização do ICNB leva a mesma coima que se fizer lixeira clandestina, para eles é tudo a mesma coisa isto é as infracções leves num lado são punidas com o mesmo valor como no outro, só que num causa um dano ao seu direito a viver em ambiente puro e despoluído e no outro você limitou-se a destruir uma planta supostamente protegida ou matou sem querer um pássaro viajante.

Na Assembleia da República gritam outros partidos que estão a promover os crimes ambientais quando o PS procura envergonhadamente corrigir a barbaridade, e nesta confusão que o Min. do Ambiente e ICNB apadrinham, nem vale a pena falar.
Está tudo perdido!
Abel lacerda

Sargus disse...

Viva carissimo Abel Lacerda.

Desde já o meu agradecimento pelo comentário.

É difícil aceitar ou discutir qualquer que seja a matéria, principalmente esta, com esta gente do Ambiente e seus colegas, muito sinceramente estou desacreditado já a alguns anos, e cada vez mais, do sistema politico e governativo, pois estes só tem enterrado o pais.

Enquanto as pessoas continuarem a ser escolhidas para ocupar cargos por serem amigos, lhe deverem favores ou simples tachos, iremos continuar a ter legislação deste calibre, ideias e reformas deste genero. Quando, quem deveria ocupar estas tutelas seriam pessoas competentes, nunca pseudo-politicos que se agarram ao poder desta forma, quero posso mando, isto esta uma vergonha total, quando se sabe que portugal já não consegue reduzir as emissões de gases de efeito de estufa, conforme o tratado de Quito:

http://videos.sapo.pt/k50dzZzu7rg
CVFaw72Bk

Para mim a solução seria bem mas radical, porque o sistema politico que temos hoje em dia, já teve tempo para se endireitar e nunca o fez, não será daqui para a frente certamente, eu corria era com toda a gente de lá, quem se porta-se mal era banido definitivamente da politica.

Quanto as politicas tidas em conta por esta tutela, minha nossa senhora, o PNSACV é dirigido de Lisboa pelo seu director regional, os fundamentalistas andam a toque de caixa (fazem o que lhes mandam e não o que lhes ensinaram na carreira universitária, como tal são uns vendidos dos seus próprios ideais).

"Essa gente não merece nem pode estar nesses lugares da administração pública"

Eu diria mais, nem pública nem privada...

Eu nem sei se eles terão um pouco de massa cinzenta para distinguir as coisas boas das coisas más, tentam tratar todas as diferentes problemáticas e paradigmas da mesma maneira, isto só pode ser para acabar com a burocratização, só pode...

Quantas centenas de litros de água não correm para o mar, oriundos de barragens para o mar sem que a mesma seja aproveitada, agora vieram com a lei dos poços, quando uma vez mais, não fizeram publicidade nem sensibilização nenhuma em torno da mesma, porquê, é para isto que serve a UE?

Com o Tratado de LX o Governo conseguiu dar de mão beijada todos os recursos marinhos, isto é, passamos a não ter mão neles, será a UE a orienta-los e a explora-los, só uma coisa a dizer...

Bendita Irlanda!!!

Quanto aos saldos, nem vale a pena comentar, é vergonhoso.

Abraço e obrigado pelo contributo.

Anónimo disse...

Caro Sargus

Diz Bendita Irlanda, mas vai ver que lhe dobram a espinha com a crise.

Eu diria Bendita NORUEGA que recusou a aderir à CE por causa do seu mar e das suas pescas.

Esses recusaram entregar as suas águas e as suas pescas aos demais países da CE.
(É pena não ter nenhum vídeo da entrevista de um ex-ministro da Noruega para juntar aqui).

Temos uma fabulosa Zona Económica Exclusiva(ZEE) de 200 milhas que, também, estão à volta dos arq dos Açores e Madeira.

Estão a ver a grandeza?, quase toca a ZEE do continente com a da Madeira!

"EXCLUSIVA"? só se for a palavra!

Até o nosso mar territorial de 12 milhas é pilhado por frotas estrangeiras, ninguém quer saber!

Os nossos pescadores não podem pescar nas 200 milhas ( nem no mar territorial das 12 milhas) a "pescada" porque não têm quota para essa espécie, pois que, andaram distraídos a pescar outras e como não aproveitaram a pescada, agora, são multados e as artes apreendidas.

Quem tem negociado todas estas coisas com a CE deveria ser denunciado e esbofeteado em público e corrido a ponta pé e despojado dos "seus" bens os que estão à vista e os ocultos.

Agora, perante este quadro ainda aparecem a legislar sobre a pesca lúdica da forma como o fazem.

Então eu, quando lanço o anzol e o isco ponho um letreiro para os sargos não morderem?
Se isto não tivesse importância, a gente até se ria..., mas chega de ridículo e de tanta estupidez de gente de secretária a legislar.

É pena o ridículo não matar, pois que, se assim fora, ao menos, teríamos sossego e livravamo-nos desta bicheza!

(Olhe eu tenho uma pessoa que conheço e que já tinha idade para ter juízo, mas sempre que o encontro ele gaba-se de "ter feito leis" quando foi adjunto de um secretário de estado, aquilo é um orgulho doentio).

Estamos individados - dívida pública - em termos tais que, mais de 80% do nosso PIB representa o valor dessa dívida e só nos resta, de tudo o que produzimos, cerca de 20% desse valor.
MAS, se lhe juntar a dívida dos Bancos e das empresas e de organismos independentes, a dívida fica próxima, do dobro do PIB (produto interno bruto, note "bruto" e perceberá a gravidade da nossa situação).
(Se tem dúvidas veja no yuotube Medina Carreira).

Nós devemos quase o dobro do bruto que produzimos num ano.E está a aumentar.

O ex-ministro das finanças de Sócrates (... Cunha) disse há dias
numa entrevista na TV que o déficit da despesa pública primária já estava ao nível de 2005 em princípio de 2008, repito, 2008.
Não vi nenhum desmentido.
Portanto, terão que explicar melhor essa coisa milagrosa da redução do déficit das contas públicas, de ter ficado abaixo dos 3%.!

De facto, estes, que fazem estas portarias, são os mesmos ( mesma falta de qualidade) dos outros que estão e têm estado desde o passado na agricultura onde a adesão à CE foi um desastre completo e tb noutros sectores da política.

Não os conheço,só sei quem são, mas se um dia eles passarem por mim, podem ter a certeza que lhes voto o maior desprezo e reprimirei o gesto quase irreprimível de lhes cuspir na cara, pois que, NÃO SE ADMITE TANTA FALTA DE RESPEITO POR QUEM LHES PAGA OS SALÁRIOS COM OS SEUS IMPOSTOS.

Desculpe, mas tenho que partilhar convosco este meu sentimento de INDIGNAÇÃO.

Sempre a considerá-lo.
Abel Lacerda

Sargus disse...

Carissimo Abel Lacerda.

Porque será...

Porque será que ao ver os seus comentários e testemunhos, revejo neles o espelho, os podres onde estamos metidos...

O que eu gostava de ver era um referendo nos 27 estados para ver o que todos os cidadãos acham verdadeiramente da UE.

A Noruega se calhar para lá caminha com tantas uniões de esforços com a UE, já tendo tentado "No início da década de 90, com o rei Harald V, a primeira-ministra trabalhista Gro Harlem Brundtland procura integrar o país na União Europeia. No entanto, esse objectivo ainda não se concretizou até hoje e continua a causar polémica dentro do país."

Mas concordo com esse isolamento, o que Portugal lucrou com os dinheiros que entraram de subsídios? Cimento, obras, frotas de pesca reduzidas, cotas pecuárias e agrícolas reduzidas, diminuição da qualidade de vida social e económica, etc, coisas boas... A produção que tínhamos, a pequena produção artesanal foi subsidiada para acabar, como poderemos ter uma sustentabilidade de produção quando não produzimos, importamos, seguimos as leis comunitárias predominantes, recebemos subsídios que são canalizados para outros fins e depois temos o pais que temos.

Quanto à ZEE ou recursos marinhos estou reticente sobre o Estudo do Hypercluster da Economia do Mar, não o vejo com bons olhos, já que com alterações climatéricas, pressões de pesca e pseudo defesas do ambiente com esta pressão de empresas privadas não deve dar boa coisa...

Diz o Governo que vêem para ai projectos sustentados que beneficiem (uma vez mais) postos de trabalho (para combater o desemprego "o outro problema").

O legislar sobre a pesca lúdica não foi mais que a criação de medidas, isto é, mais legislação, daquelas que saem tipo cascata, kg delas exageradas sem nexo ou fundamento, para não falar na complexidade de variadas confusões que trazem que são pouco pensadas e cuidadas. Por outro lado, todos os cidadãos tem de ter o conhecimento da lei, esteja bem ou mal elaborada, saiba-se ou não ler, etc.

Ao que parece a legislação da pesca lúdica veio a reboque (uma vez mais) das directivas comunitárias, legisla-se por tudo e por nada, coimas elevadas para dissuadir pressupostos infractores, e depois criam-se estes paradigmas como o titulo desta entrada.

À algum tempo, um amigo enviou-me um e mail, não hesitei em colocar uma entrada:

http://oceanusatlanticus.blogspot.
com/2007/10/gua-no-peixe.html

Será que não existem pessoas competentes?

"(Olhe eu tenho uma pessoa que conheço e que já tinha idade para ter juízo, mas sempre que o encontro ele gaba-se de "ter feito leis" quando foi adjunto de um secretário de estado, aquilo é um orgulho doentio)."

Tem ai outro exemplo caro amigo.

O Medina Carreira pode ser considerado um fala barato para muitos iluminados, mas creio que é sem duvida uma pessoa bastante bem informada, devido ao seu percurso, gosto bastante de o ouvir e é lamentável que pessoas assim não sejam objecto de contribuição para a melhoria das coisas, de salientar na ultima vez que o ouvi na tv:

- A crítica ás finanças públicas
- Ao endividamento e despesa
- Á carga fiscal portuguesa Também tem criticado a situação actual da educação, justiça e
- Inexperiência de políticos
- Inexistência de medidas contra a corrupção
- Divida externa
- Derrapagens das obras públicas portuguesas onde salta a Casa da Música, entre outras.

O seu sentimento de INDIGNAÇÃO é o mesmo que muita gente sente e de certeza que cada dia que passa, essa INDIGNAÇÃO CRESCERÁ!

Pessoalmente estou desacreditado a praticamente todos os níveis deste regime/república.

Grande abraço caro amigo e uma vez mais obrigado pelo comentário.