Artificiais: Palhetas partidas


E porque o azar por vezes "bate à porta" do nosso stock de artificiais, aqui está uma forma fácil de reconstruir uma palheta partida de uma artificial.

Depois de partida deve fazer-se um orifício com a ajuda de uma pequena broca.

Devemos cortar um pedaço de acrílico do tamanho e formato pretendido, não pode fugir muito ao tamanho original da artificial, e a palheta deverá ter mais ou menos o formato indicado.


O pequeno "funil" será onde irá encaixar no orifício previamente aberto com a broca, logo em seguida deverá ser colado com Super Cola 3.

Após a colocação da Super Cola 3, deveremos colocar Bicarbonato, daquele que se usa na culinária, para que o mesmo torne espesso, à medida que vamos colocando um pouco de mais cola até que a palheta fique com a espessura forte e que nos ofereça segurança.


Após a secagem da mesma, deverá ser utilizada uma lixa ou lima fina, à medida que vamos gastando o excedente, a palheta irá ficar com o formato inicial que nos permitirá fazer mais umas jornadas e quem sabe, mais uns peixes...


O meu agradecimento ao Carlos Lázaro pela concepção desta palheta para a Saltiga que já estava no estaleiro à espera de melhores dias, finalmente voltará para a caixa junto das outras.


Obrigado Primo!!!

4 comentários:

S. Ferreira disse...

Está porreiro, Fernando!

Ainda não parti nenhuma, mas é apenas uma questão de tempo.
Diz-me uma coisa que não entendi: o bicarbonato é para preencher os espaços? Podias explicar melhor, por favor?
Obrigado.

Muda-me é o triplo da saltiga, senão os robalos morrem com tétano! Eheheheheh...

Um abraço.

Sargus disse...

Viva Sérgio.

Esta também foi a minha primeira quebra, mas já está resolvida.

O bicarbonato é para dar "enchimento" juntamente com a SC3, criar massa reforçando os espaços e criando hidrodinamismo na palheta (conseguimos deixa-la como quisermos, palheta mais comprida e mais estreita ou vice versa).

Estes são no cómodo geral a cor dos meus triplos...

Não, essa desde que se partiu ficou no estaleiro, vou ter de gastar uns cobres agora em triplos para essa e para as outras 8 que achei.

Quanto aos robalos, não tenho ido a eles, mas acho que já devem estar vacinados...

Um abraço.

S. Ferreira disse...

Obrigado.

Não gosto de usar triplos ferrugentos por dois motivos: estão fragilizados e estragam a pintura das amostras.

Um abraço.

Sargus disse...

De nada caro Sérgio.

Eu também não gosto, mas a minha tara de andar dentro de água, não deixa que tenham uma esperança média de vida duradoura...

Também concordo, ficam mais frágeis, as performances de ferragem diminuem bastante, perdem as barbelas, partem os bicos, estragam a coloração das artificiais bem como a sua pintura,
para não falar do tétano nos robalos...

;)

Abraço.