Segurança, falesias, praias e turismo no PNSACV


Não é que a sinalética esteja mal colocada ou que não seja eficiente no local, a realidade está patente neste exemplo de humor, é que mesmo com a sinalética no local, a probabilidade de ocorrência de queda de blocos em determinados locais aquando da preia-mar poderá original uma situação descrita como o autor anónimo desta obra prima.



É que a sinalética não proíbe nem condiciona, O que deveria ser feito noutras tantas situações que quando existe ou existe incumprimento dá direito a coima pesada, por exemplo os locais ditos como Protecção Parcial I, onde existe apenas a localização através de coordenadas de GPS, como se todos os cidadãos tivessem um identificador de GPS para achar a geo referencia de limite da proibição. Haja bom senso e critério.

1 comentário:

pennu5 disse...

Pois é amigo Sargus! Assim é tudo mais facil, espeta se umas tabeletas a dizer perigo e depois se acontecer algum azar temos as maos limpas... Limpar as falesias em perigo, das praias com indicaçoes sai muito caro pá... assim cada praia chega a ter 4 tabeletas dessas como eu ja vi por ai...