Poluição das falésias e praias

O resultado de alguns minutos

Todos nos produzimos enormes quantidades de resíduos, uns mais que outros, como tudo na vida, mas uns mais que outros também tem a especial atenção de dinamizar a sensibilidade para uma problemática que nos diz respeito a todos.










Os frequentadores das zonas litorais, quer praias como falésias são os responsáveis pela acumulação de resíduos e lixo nesses locais. É claro que uma grande percentagem dos resíduos que são observados na zona de mares são trazidos pela ondulação e acção das marés, que nos faz lembrar um pouco uma troca directa a longo prazo, já que nós produzimos os produtos e por consequente os resíduos e lixo e o deitamos de uma forma ou de outra ao mar, esses mesmos resíduos poderão ser trazidos para terra.











É claro que a degradação dos espaços naturais acresce mediante o conhecimento desse local ou frequência populacional, mas também é verdade que as entidades a quem compete a vigilância, controle e manutenção desses locais ficam à quem dessas competências, e todos sabemos que as sensibilizações e trabalhos de campo tem de aparecer de alguma forma.











O tão aclamado e utilizado termo da actualidade “desenvolvimento sustentável” não deixa de ser um tanto ou quanto um termo utópico, em primeiro lugar pelo incumprimento que esse termo reflecte na actualidade, a designação de manutenção e defesa dos recursos e sua relação entre o passado/presente/futuro devido ao aumento do peso do Homem sobre os mesmos de uma forma mais intensiva, mais poluidora e mais devastadora.










O apelo ao civismo e à pequena ajuda que todos nos poderemos fazer, nem que seja não poluir deitando os restos de embalagens, latas de conserva, latas de sumos, maços de tabaco, botas velhas, calças de ganga, camisas, t-shirts, caixas de cartão, garrafas de vidro e sacos de plástico foi o material que recolhi, e que me deixa um pouco triste porque este local é 95% frequentado por mariscadores e pescadores.

Será que gostam de chegar a um local que viram sujo e agora vêem limpo?
Ou será que daqui a pouco tempo esse mesmo local não estará igual...

Pela grande falta de sensibilidade que existe um pouco por toda a parte esse local a médio prazo estará cheio de lixo novamente, é pena que se esqueçam que nas zonas de falésias e nestes locais não existe Recolha de Lixo Municipal como nos centros populacionais.

Haja respeito e civismo!

7 comentários:

António Matos disse...

"e que me deixa um pouco triste porque este local é 95% frequentado por mariscadores e pescadores."

Boa Noite Fernando, pegando na tua frase, ainda muito à a fazer para mudar mentalidades de velhos e novos que andam nestas lides enamorados pelo mar e que o tratam tão mal.

Mais uma vez o meu obrigado.
Por partilhares os teu ideais.

abraço

Sargus disse...

Boas António.

É uma realidade que tanto se vê...

Se conseguírem apanhar 50 kg de marisco, trazem-no todo, nem que tenham de subir a falésia umas 5 vezes, com o peixe é igual, mas os sacos de plástico e restos do farnel e lixo que são extremamente pesados ficam nos pesqueiros ou deixam-nos nos estacionamentos dos pesqueiros. São estas coisas que não se conseguem compreender...

Grande abraço.

Ricardo disse...

Viva Fernando,

tu e outros como tu são o exemplo vivo de que neste campo as mentalidades parecem efectivamente estar a mudar e que neste campo pode e deve haver esperança.

Bom trabalho!

Abraço,

Ricardo Silva

Anónimo disse...

E por carga de água não há-de haver recolha de lixo fora dos centros populacionais? Será que as zonas litorais fora das urbes são terra de ninguém ? Então as autarquias não têm responsabilidades na sua gestão
e ordenamento ? Custa-me aceitar que as autarquias não estejam atentas a estas situações com aspectos negativos para o Ambiente.

Saudações cordiais
Mário Pinho

Sargus disse...

Viva Mário Pinho.

desde já quero agradecer o comentário a esta entrada porque acho importante a sensibilização e preocupação nesta área.

E desde já permita-me esclarecer que a recolha de lixo fora dos centros populacionais ocorre como é óbvio, e quando falei que não ocorria referia-me simplesmente a locais de difícil acesso como é o caso do local onde recolhi esse lixo deixado por frequentadores desse local (mariscadores e pescadores), como exemplo algumas praias ficam fora dos centros populacionais e a recolha de lixo é feita todos os dias de verão.

"Será que as zonas litorais fora das urbes são terra de ninguém?"

Claro que são.

"Então as autarquias não têm responsabilidades na sua gestão
e ordenamento?"

Claro que sim.

"Custa-me aceitar que as autarquias não estejam atentas a estas situações com aspectos negativos para o Ambiente."

A mim custa-me mais aceitar que existem frequentadores de zonas como o litoral e zonas interiores que frequentam estas zonas e as deixam nestas condições, agora não vamos responsabilizar as autarquias de norte a sul por se em algumas situações nos depararmos com estes pequenos atentados perpetuados por cidadãos que se calhar poderiam num outro local do mundo que não este.

Abraço.

Anónimo disse...

Caro Fernando,

De facto as autarquias não têm condições para promover a recolha do lixo nos pesqueiros mais isolados e de difícil acesso. O mesmo não se poderá dizer dos pesqueiros acessíveis e muito frequentados. Nestes casos, penso que poderiam fazer alguma coisa em prol do ambiente. Por exemplo, em Sesimbra, junto ao Forte do Cavalo - não sei se conhece, mas trata-se de uma zona relativamente próxima do perímetro urbano da vila - os locais onde os pescadores deixam as viaturas e os pesqueiros da proximidade são autênticos vazadouros de lixo. Já escrevi para a câmara se Sesimbra a chamar a atenção para o facto e a sugerir que, de tempos a tempos, procedessem à limpeza dessa área. Se houvesse vontade, não seria uma tarefa complicada. Claro está que a minha sugestão não foi tida nem achada. Tenho também consciência que os principais responsáveis por estes pequenos atentados ao ambiente e à paisagem são os próprios pescadores. Infelizmente, em matéria de educação ambiental, muitos dos pescadores da nossa terra ainda têm muito que aprender; mesmo os mais jovens que, supostamente, já deveriam ser mais conscienciosos do que as gerações que os antecederam. Será que algum dia as coisas serão diferentes ?

Abraço,
Mário Pinho

Sargus disse...

Carissimo Mário.

Nesses casos, penso que poderiam fazer alguma coisa em prol do ambiente, principalmente os frequentadores desses locais terem a mínima sensibilidade que o lixo deve ser deixado nos contentores e não deitados por aqui e por ali, ou para dentro dos arbustos, ou ao mar, ou enterrados, etc.

Esse é o caminho e não outro.

Mário uma vez mais, "uma zona relativamente próxima do perímetro urbano da vila - os locais onde os pescadores deixam as viaturas e os pesqueiros da proximidade são autênticos vazadouros de lixo", mas porquê???

Porque não existe civismo por parte desses frequentadores, e cada vez mais tenho outra visão sobre a realidade e depois não nos vamos queixar com proibições e restrições à pesca em certos e determinados locais, porque mais dia menos dia è o que vai aconteçer...

Abraço.