Desenvolvimento económico e energias renováveis: Peniche promove seminário “Energia dos Oceanos”


Os principais investigadores nacionais no domínio das energias renováveis vão estar em Peniche dia 19 no seminário “Energia dos Oceanos”. Em conjunto com actores económicos e industriais, promoverão um debate “actual e oportuno em torno do mar e do seu aproveitamento energético”. Para a cerimónia de abertura do seminário “Energia dos Oceanos”, pelas 10 horas, está prevista a presença do ministro da Economia, Manuel Pinho, cabendo a sessão de encerramento ao secretário de Estado do Ordenamento e das Cidades, João Ferrão, ao final da tarde.

O objectivo primordial deste seminário, segundo a autarquia, será o de “estimular os actores urbanos” para que, em conjunto com empresas privadas, possam “criar dinâmicas de desenvolvimento local e regional” e preparar programas estratégicos “para acesso aos financiamentos dos Programas Operacionais Regionais no âmbito do QREN 2007-2013”, nomeadamente ao nível da Politica de Cidades – Polis XXI.

Serão abordadas temáticas relacionadas com as perspectivas de aproveitamento energético dos oceanos, tais como a energia das ondas, a energia eólica off-shore, as potencialidades das micro algas marinhas e o estudo de casos internacionais de sucesso ao nível do aproveitamento energético dos oceanos.

A realização deste seminário em Peniche, reveste-se de especial significado para este Município, em virtude do seu forte envolvimento em torno da sustentabilidade económica e ambiental do concelho, aproveitando e valorizando os seus recursos endógenos. Acresce ainda o facto de Peniche ser um dos municípios parceiros da Rede ECOS, cujos eixos estratégicos assentam no domínio da sustentabilidade e eficiência energética, seja a partir da promoção da construção sustentável, seja a partir da divulgação e na disseminação de centros electroprodutores a partir de energias renováveis, entendidos como pilares de processos de desenvolvimento alargados.

Programa:

10h00 – Sessão de Abertura

Ministro da Economia, Doutor Manuel Pinho*
Presidente da Câmara Municipal de Peniche, Dr. António José Correia
Presidente da Câmara Municipal de Moura, Dr. José Pós de Mina
Presidente do INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Profª Teresa Ponce de Leão
Director-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano, Arquitecto Vitor Campos*
Director-Geral Grupo Sojormedia, Dr. Pedro Costa

10h50 – Coffee-break

11h10 - Sessão 1: As Energias Marinhas em Portugal - Moderador - Engº Paulino Silva, Administrador da Lena Ambiente e Energia, SGPS

• Energia das Ondas: Recurso e Oportunidades - INETI – Doutora Teresa Pontes
• Energia Eólica Offshore - INETI – Doutora Ana Estanqueiro * / Dra. Teresa Simões
• Microalgas marinhas, que perspectivas? - INETI – Doutor Alberto Reis
• Apoio ao desenvolvimento da Energia das Ondas - Centro Energia das Ondas, Prof. Doutor António Sarmento
• Microalgas, aplicações e futuro - GEAQUA – Engº Rui Gomes

Debate

14h00 – Sessão 2: Energia das Ondas em Portugal e Contribuições Europeias - Moderador - Engº Pedro Carvalho, Director de Projecto da Landcoba Lda

• Panorâmica Nacional e Internacional - Instituto Superior Técnico, Prof. Doutor António Falcão
• Pelamis - ENERSIS - Eng. Rui Barros
• Waveroller - AW-Energy/Eneólica – Eng. Agostinho Ribeiro
• Martifer - Eng. António Pontes *

15h20 – Coffee-break

15h40 – Sessão 2 – continuação

• EDP renováveis - Eng. António Vidigal
• Política de Espanha - Robotiker, José Luís Villate

Debate

16h45 – Sessão 3: Perspectivas Europeias e Nacionais - Moderador: Dr. João Paulo Marques, Vice-Presidente do Instituto Politécnico de Leiria

Mesa Redonda: Administração e Indústria

Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar, Eng.º Miguel Sequeira
EFACEC- Eng. Pedro Domingues
Estaleiros Navais de Peniche, Eng. Álvaro Oliveira - NERLEI*,
Director Geral de Energia e Geologia (DGEG), Dr José Manuel Perdigoto *
- Mecanismos políticos nacionais

18h30 – Encerramento - Secretário Estado do Ordenamento do Território e das Cidades, Prof. Dr. João Ferrão

* Presenças a confirmar

Fonte:

6 comentários:

Ricardo disse...

Viva!

É uma excelente notícia e espero que estas iniciativas se multipliquem por este país fora!

Se pudesse, iria assistir, mas de qualquer maneira vou estar atento ao assunto.

Com a dimensão da nossa ZEE e a conjuntura energética actual penso que Portugal tem aqui uma excelente oportunidade para fazer uns nova epopeia de "Descobrimentos"!

Como sempre defendo, deveríamos começar (e já vamos atrasados) pela educação e formação, criando novos cursos superiores ou adaptando alguns existentes que eventualmente se vão tornando obsoletos, virados para o aproveitamento sustentável da energia do "nosso" oceano.

Depois, era aproveitar esta massa crítica para em conjunto com investimento público e privado avançar para investigação, estudo e finalmente execução!

Já não há nada para descobrir, pelas pescas também já se viu que não vamos lá, turismo tipo "Allgarve" dispenso, e eis que nos surge mais uma grande oportunidade de explorar a nossa ZEE de forma positiva e sustentada! Não sei se não será a última e adorava vê-la bem aproveitadinha...

É de facto um projecto que nos podia diferenciar competitivamente a nível europeu e mesmo mundial!

Abraços!

Sargus disse...

Boas Ricardo.

É claramente uma inovação nesta área a multiplicação de interesse por outras formas de energia alternativas e esta é bastante forte.

Também acredito claramente que seria um projecto que nos podia diferenciar competitivamente a nível europeu dadas as condições que temos (+ / - 50% do país banhado pelo oceano.

Grande abraço.



Abraços!

Anónimo disse...

Portugal no campo das energias renováveis está no “pelotão da frente”, principalmente ao nível do aproveitamento da energia solar e eólica. Ainda estamos numa fase inicial, mas penso que nesta vertente estamos a dar cartas a nível mundial e estes congressos servem, para além de outras coisas, para trocar ideias e experiências.

No que respeita ao aproveitamento da energia proveniente das ondas, já existem alguns projectos piloto, nomeadamente na Ilha do Pico, Póvoa do Varzim e Peniche.

A central instalada na Ilha do Pico é a uma central onshore e a primeira no mundo a produzir a partir da energia das ondas, de uma forma regular

Outra forma de aproveitamento dos oceanos para a produção de electricidade é a energia das marés, mas em Portugal a diferença de nível entre preia-mar e a baixa-mar não é suficiente para este fim.

Segundo alguns estudos desenvolvidos, em Portugal estão "disponíveis" 21 GW, distribuídos entre 15 GW para o continente e 6 GW para as Regiões Autónomas. Mesmo sendo excessivamente conservadores nas taxas de conversão (converter a energia associada às ondas em energia eléctrica) da energia disponível facilmente se compreende que este recurso constitui uma mais valia para Portugal e que se encontra ainda por explorar. Sendo peça fundamental neste puzzle que a conversão de energia seja economicamente viável, o que nos dias de hoje ainda não acontece.

É de referir ainda, que os mais optimistas apontam no sentido de no futuro este tipo de produção de electricidade reside em centrais offshore em que se prevê para Portugal um potencial elevado que pode levar a que em 2025 cerca de 20% da electricidade consumida tenha esta origem. Contudo, esta perspectiva pressupõe que o aperfeiçoamento das diferentes tecnologias, que ainda estão a dar os primeiros passos, se venham a afirmar.
Rui Marreiros

Abraços!

Sargus disse...

Boas Rui.

Nesta fase inicial à muito que foi investido no parque para aproveitamento Eólico em Sines, e numa segunda fase a zona da Sonega, Aljezur e Vila do Bispo (recentemente), isto aqui pela nossa zona, porque acredito que esse tipo de investimentos estejam a ser efectuados um pouco por todo o pais, mais ainda o investimento que ainda não está em funcionamento na zona da Amareleja que só é o MAIOR DA EUROPA. (http://www.portaldemoura.com/index.
php?option=com_content&task=view&id
=471&Itemid=1)

Quando falas no aproveitamento das ondas para produção de energia, já devíamos ter investido nesse sector e bem, dada a costa que temos, pode ser que esses projectos piloto aumentem significativamente.

Como afirmas a central situada na ilha do Pico é a 1ª do Mundo a produzir energia das ondas.

A ver vamos se o investimento vai multiplicar-se neste sector da produção sustentada e sem poluíção.

Todos nós, o ambiente e o planeta agradecem.

Obrigado pelo comentário, abraço.

Ricardo disse...

Caro Rui Marreiros,

desde já o meu muito obrigado pelas informações prestadas.

Este é um assunto que me interessa bastante e o Rui parece estar muito bem informado.

Se possível, poderia enviar-me (rjpdasilva@gmail.com) ou mesmo deixar aqui (creio que o Fernando concordará) alguns links que ache relevantes com informações sobre esta matéria e os projectos que refere?

Muito Obrigado,

Ricardo Silva

Anónimo disse...

Caro Ricardo, aqui vão alguns links sobre esta temática.

http://www.aw-energy.com/page_1_0.html

http://energiasrenovaveis.wordpress.com/2007/08/21/grupo-lena-e-aw-energy-exploram-energia-das-ondas/

http://novaenergia.net

http://swellfuel.com/

http://www.eu-oea.com/

http://www.ca-oe.net/

http://www.pelamiswave.com/

http://www.internationalrenewablesenergy.com/index.php?pag=conteudo&id_conteudo=2951&idmenu=201&energia-das-ondas--portugal


Documentos:
http://www.cimar.org/TempDocs/UIM2008/Apresentacoes_14Jun/Energias%20Renovaveis%20e%20o%20Mar.pdf

http://194.65.92.46/portal/energia/EnergiaOndas.ppt#501,38,Diapositivo 38

http://www.reservanaval.pt/upload/files/20074212155160.Energia%20das%20Ondas-%20-%20Desafio%20Tecnol%C3%B3gico%20Portugal.pdf

Em Portugal, os principais "tubarões" do sector já estão atentos a este possivel filão por explorar, nomeadamente: Martifer, EDP, Grupo Lena, Efacec...

Se procurares pela web facilmente encontras muito material interessante!

De qualquer forma vou também deixar o meu contacto: ruimarreiros3@gmail.com

Abraço.
Rui Marreiros.