Redes de arrasto pelágico um massacre organizado


As imagens valem por mil palavras, enquanto em certos locais se aclamam medidas de proteccionismo que roçam o exagero do fundamentalismo, na Europa onde Portugal esta "plantado geograficamente" ocorrem situações destas. São dezenas de toneladas...
Vejamos a titulo de exemplo:

1 tonelada = 1,000 kg

Em média, 1 exemplar de 2,000 kg dará 500 exemplares para perfazerem a tonelada.

Em 10,000 toneladas => serão 5,000 exemplares

Desses exemplares que são capturados, em zonas de desova e na altura da desova, serão biliões de minúsculas ovas destes exemplares que não seguem o circuito da vida reprodutivo desta espécie.

Com tudo as grandes redes de arrasto pelágico continuam a fazer o massacre dos Robalos apesar do declino alarmante deste recurso, que pela continuação irá em breve esgotar o stock de sustentabilidade reprodutora desta espécie.




O mais curioso é que não existem medidas restritivas temporais a estes massacres, como tal, estas embarcações operam a 100% na altura da desova, quando as grandes concentrações estão no auge.

O lobbie da pesca comercial é superior, pelo menos creio que para haver algum tipo de proteccionismo ou proibição para a pesca comercial, a mesma terá de beneficiar de uma compensação financeira, daí creio que será esse o problema para a inexistência de medidas restritivas na altura da reprodução/desova para esta espécie e outras.

Acho este exemplo notável, ao lermos 1 tonelada não nos apercebemos do que estamos a lidar, 1 tonelada são mil kg e são esses exemplares, cada exemplar tem milhares de minúsculos descendentes que poderiam somente esses capturados e apenas 20% dos efectivos dados a desova vingassem o que não seria isso daqui a uns 5 anos, provavelmente em 10 ou 15 já estavam a produzir descendentes, mas assim acabou se o mal, mata-se tudo na altura da reprodução, e se repararmos bem são exemplares calibrados entre os 2 kg e os 3/4 kg, que corresponde efectivamente ao patamar óptimo de reprodução em termos qualitativos e quantitativos de descendentes...

Gasta-se tanto em estudos de gabinete e ajudas comunitárias para projectos megalómanos, mas nesta questão nem um cêntimo...

Fonte das fotos: seabassfactory

19 comentários:

Anónimo disse...

Mas atenção que andan por uns criminosos (LUDICOS) a solta......

Anónimo disse...

Imagens impressionantes ! Como é que isto é possível e permitido nos dias de hoje ?


Saudações cordiais,
Mário Pinho

SpinnMaster-TEAM disse...

Boas Fernando,

mas isso já nós sabemos....

Grd abr, Matos

Pedro Nunes disse...

Amigo Sargus!
Espero bem k essas medidas de protecção nunca venham, e sabes pq!? Pq se algum dia isso acontecer, a restrição mais uma vez vai ser só p nós os pekenos k perdemos uma noite p apanhar um exemplar com 3Kg ou três kileiros, estes assasinos vão continuar sempre a solta, no nosso país é assim... e essas fotos são uma fotocopia do k se passa com o caso do Sargo, mas nem vamos falar mais disso...

Abraço

António Matos disse...

Rapem enquanto há... quanto a essa dos lúdicos "criminosos" é verdade que os há mas depois da imagem postada e dos dados apresentados... será que o problema está nos lúdicos?

Sargus disse...

É verdade, por enquanto os sargos andam descansados dos pescadores lúdicos, mas está a acabar a festa...

Os lúdicos criminosos vão novamente andar à solta...

Como um certo artista se refere neste e em alguns blogs de amigos "bando de assassinos de peixes"

Sargus disse...

Viva Mário Pinho,como é possível?

Lobbies poderosos, também ainda caçam baleias, matam golfinhos, matam focas, etc

É possível porque ainda não lhes apeteceram tocar nestes podres...

Cumprimentos

Sargus disse...

Caro Matos, nos sabemos...

Nós imaginamos...

Saber, saber, somente com imagens destas se tem uma ideia, mas estas duas fotos são o espelho da tua, quando fazes uma ou algumas capturas é uma jornada de alguns quilogramas, quando eles fazem um lance são umas toneladas valentes...

Abraço

Sargus disse...

Tens razão Pedro, enquanto não se tomarem medidas gerais, nunca haverá um contentamento geral, se queremos preservar e proteger será criando zonas tampão e alturas de defeso (nem que seja a apenas 1 mês) mas que seja para TODOS os intervenientes no recurso.

Cumprimentos, temos de combinar com o Pj Fixe uma faina qualquer dia

Sargus disse...

Viva António Matos...

Enquanto há é limpar e fazer euros, querem la saber se amanha existe alguma coisa, amanha dedicam-se a outra coisa...

O problema é como as medidas de austeridade, começa e acaba nos mais fracos...

Abraço.

Anónimo disse...

Os ludicos numca foram o problema amigos.O problema toda agente sabe onde está.. Só que
Alguem fala mais alto e já se sabe..Depois quem se lixa o MEXILHÃO....

Nelson Silva disse...

O problema, é e sempre será o mesmo, quer seja na pesca lúdica, quer seja em outra actividade!!! O alvo será sempre o mais fácil!!! Neste caso nós os "lúdicos", que fazem isto por "escape", que até preservam o ambiente, que têm consciência...

Como é óbvio, e como é referido, ninguém faz frente aos grandes lobys, Porque?! todos sabemos porquê!!!

E um dia, qd a fonte secar!!! O que acontece!! Subsídios, pq quem captura em grandes quantidades acabou com tudo, e depois são coitadinhos, pq não conseguem capturar, muitas despesas!!! Ciclo vicioso este!!! REVOLTANTE!!!!

Realgana disse...

A pesca do arrasto dá trabalho a muita gente ... não se pode simplesmente ser fundamentalista eu por minha vontade já tinha acabado a pesca do arrasto porque desgasta e destroi muito os stocks marinhos ... o problema é que o nosso talude continental não tem capacidade de regeneração suficiente para tanta pesca de arrasto.
Penso que deveria ser diminuída a pesca do arrasto (menos barcos ou menos dias de pesca) e melhorada a pesca artesanal ... diminuir também as redes de tresmalho que há em demasia e estraga os fundos são também um grande problema tão grave quanto o arrasto.
Os defesos vão ser muito importantes.
Os sargos que eram a monte na costa a norte da Nazaré simplesmente desapareceram por pesca intensiva de redes de tresmalho dos barcos de Vila do Conde e Póvoa do Varzim ... eu assisti a isso ao longo de 30 anos e não há mesmo sargos eu faço caça sub há 30 anos e sei do que falo.

Realgana disse...

A pesca do arrasto dá trabalho a muita gente ... não se pode simplesmente ser fundamentalista eu por minha vontade já tinha acabado a pesca do arrasto porque desgasta e destroi muito os stocks marinhos ... o problema é que o nosso talude continental não tem capacidade de regeneração suficiente para tanta pesca de arrasto.
Penso que deveria ser diminuída a pesca do arrasto (menos barcos ou menos dias de pesca) e melhorada a pesca artesanal ... diminuir também as redes de tresmalho que há em demasia e estraga os fundos são também um grande problema tão grave quanto o arrasto.
Os defesos vão ser muito importantes.
Os sargos que eram a monte na costa a norte da Nazaré simplesmente desapareceram por pesca intensiva de redes de tresmalho dos barcos de Vila do Conde e Póvoa do Varzim ... eu assisti a isso ao longo de 30 anos e não há mesmo sargos eu faço caça sub há 30 anos e sei do que falo.

Sargus disse...

Viva Realgana, obrigado pelo comentário.

O sector estrativo pesqueiro engloba um tecido de emprego bastante elevado na nossa faixa litoral.

Esta comprovado o que o esforço de pesca principalmente no arrasto causa danos, alguns irreversivelmente a médio prazo.

Dentro da gestão de recursos existem muitos lobbies o que torna o assunto bastante problemático, quanto a isso não irá haver melhoras...

Os defesos vão ser muito importantes se forem levados a cabo por toda a costa portuguesa e não apenas em ares protegidas e para uma percentagem de elementos que fazem pressão (pesca lúdica), seguramente que em periodos de desova seria o mais indicado.

Cumprimentos

Realgana disse...

A pesca lúdica não devia ter restrições é tudo uma estupidez ... a falta de peixe é devido á pesca comercial vocês não fazem ideia do que a pesca comercial tem feito na delapidação das espécies

Sargus disse...

Alguns estudos dão grande importância à pesca lúdica como fonte de pressão (não duvido que ela exista) nos recursos, mas como referi anteriormente os lobbies são muito grandes, e pelo que os ministérios anteriores (ambiente, pescas) não queriam "tocar" na actividade profissional (pesca comercial).

Olhe que tenho uma ideia da pressão da pesca profissional e ate da pressão da pesca lúdica, vivo numa zona litoral e conheço perfeitamente a realidade legal e ilegal...

Realgana disse...

Meu caro o mal principal vem de dentro ... não é o pessoal da borda de água que faz mossa.
Também houve uma altura que a pesca sub fez grandes estragos nas nocturnas ... aí para Sines, Milfontes e Algarve principalmente a costa a norte do cabo de São Vicente eu só ia aos fins de semana (prolongados) mas assisti e vi muita coisa ... havia manos que só caçavam á noite eram verdadeiras chacinas eu sei do que falo fiz muita pesca sub andei em competições e aquilo que vi em saídas normais e contactos e amizades com caçadores sub locais deu para ver até a escassez de sargos no Malhão em Milfontes de ano para ano ... mas mesmo com alguns excessos dos bordas de água não é isso que acaba com os sargos e robalos é a pesca comercial com excesso de redes de tresmalho e excesso de arrasto ... mas também não estou de acordo com os excessos da pesca desportiva e é certo que se não optarmos pelos defesos correctos não temos peixe no presente e no futuro temos que semear para colher ... o mar regenera-se por ele próprio temos que ser racionais ... mesmo a pesca comercial tem que alinhar senão também não colhem.
Têm que deixar de ser estúpidos e cegos por conveniência da ganância.
Se calhar os donos dos arrastões não percebem nada de pesca e stocks

Anónimo disse...

Na praia de Santa Cruz, bastou uma embarcação de pesca local (que chega a lançar redes de tresmalhos a 200 m da costa) para em meia dúzia de anos ter desaparecido grande parte dos sargos e safias. Todo o santo dia lá anda.