Portarias sobre pesca lúdica no Parque Natural serão alteradas até final do mês

A permissão do uso de engodo na pesca apeada e o alargamento do número de dias em que é possível pescar no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) são as alterações, que deverão ser aplicadas até ao final de Abril.

Na reunião entre o Movimento de Cidadãos Alentejo e Algarve para a pesca lúdica no PNSACV e o secretário de Estado do Ambiente Humberto Rosa, no início do mês, ficaram acordadas alterações às Portarias 143 e 144, que limitam esta actividade desportiva no Parque Natural.

Foi ainda acordada a necessidade de criar soluções para outras restrições que levaram às manifestações de protesto dos pescadores lúdicos do Sul do país.

Segundo comunicado do Movimento de Cidadãos, «o pescador lúdico apeado volta a poder engodar com sardinha», sendo ainda reduzido «o número de dias sem pesca».

Numa primeira fase das alterações às Portarias, os pescadores ainda ficarão com um dia da semana em que não é permitida a pesca lúdica no PNSACV, situação que poderá ser revista em novas reuniões.

O Movimento reforçou também que serão feitas outras reuniões com os governantes, onde serão debatidos aspectos como o período de defeso, as zonas de protecção total, em particular da Pedra da Galé e Cabo Sardão, e a possibilidade de existir o profissional da pesca à cana, podendo este, depois, vender na lota o que pesca.

O peso máximo de pescado continua a ser de 7,5 quilos, excluindo-se o maior exemplar, mas o Movimento referiu ainda que pretende que o peso aumente para os dez quilos.

A «questão será abordada em futuras reuniões, tendo como base estudos fiáveis como a comissão sugeriu», explicou a organização, em comunicado.

No futuro, estarão em cima da mesa outros temas como as autorizações para os pescadores profissionais poderem vender na lota o peixe apanhado à cana, quando o mar não deixa sair as embarcações, a certificação dos produtos do PNSACV, em particular do perceve, para valorizar e combater a apanha e o comércio ilegal.

Por outro lado, o Movimento está à espera de ser recebido pelo secretário de Estado das Pescas para debater as características da ferramenta para a apanha do perceve, o «tamanho do anzol e tipos de pesca, a igualdade no período de defeso e a limpeza do fundo do mar no território do Parque Natural, onde existem redes que matam peixe todos os dias».

Com a Marinha, o Movimento de Cidadãos espera abordar questões ligadas à segurança na pesca diurna e nocturna, sinalização, indicação clara dos locais onde não se pode pescar, sinalização das áreas concessionadas e a pesca nos portos, cais e barras.

«Estaremos presentes na discussão pública do novo Plano de Ordenamento do PNSACV, onde nos será dada a oportunidade de expor as nossas posições», garantiu ainda o Movimento.

As Portarias foram publicadas em Diário da República no passado dia 5 de Fevereiro e desde essa altura já foram organizadas duas manifestações, que levaram milhares de pescadores à vila algarvia de Sagres, em Fevereiro, e a Odemira, no Alentejo, em Março.

Fonte: Barlavento

9 comentários:

Spinn Master disse...

Aqui está o resultado da nossa uniao de forças.

Os potugueses demoram a chegar lá...mas mais vale tarde que nunca.

Só falta fazer o mesmo para correr com o socrates... uniao de forças...

Sargus disse...

Viva Spinn Master.

A união de forças...

Acredito se houvesse mais união certas coisas não estariam como estão certamente.

Quanto à questão da corrida, fica ao critério de cada um...

Não nos podemos esquecer que juntos somos muitos!

Abraço.

Mário Tordo disse...

Após a referida reunião o que ficou decidido em relação a quem pode pescar no PNSACV.
Só os naturais e residentes ou pessoas de todo o país?

Um abraço Mário Tordo

Sargus disse...

Viva Mário.

Em resposta à tua questão, a discriminação positiva (NEGATIVA NO MEU ENTENDER) apenas se refere à apanha lúdica de marisco, na questão da pesca lúdica todos são iguais, sejam eles residentes ou não.

Agora vamos ver se esses dois pontos são resolvidos rapidamente e se haverá abertura para rever outros que toda a gente discorda.

Grande abraço.

Anónimo disse...

E os dias de pesca?
Mas que raio de férias vai um gajo ter se não se pode pescar durante 3 dias?
Vejam lá os dias de pesca.

Mário Dias

Manuel C disse...

Podiam falar nos dias de pesca, era costume tirar as ferias com a família para a zona de sagres e zambujeira, desta vez acho que vou mesmo mais para norte porque lá posso pescar descansado da minha vida sem ter problemas, apesar de não apanhar praticamente peixe nenhum, gosto de ir a pesca quando quero e me apetece, como sempre fiz e não como os governantes do ps querem, não gosto deste controlo e cada vez menos tenho liberdade de cidadão, qualquer dia ainda viramos uma ditadura.Sinto uma revolta enorme por esta e outras questões. Estou com as lutas dentro do parque dos alentejanos e algarvios, mas lamento comunicar que enquanto as coisas assim estiverem vou frequentar muito pouco essas paragens, sei que não tem culpa, mas se eu e mais cidadãos o fizerem creio que mais rapidamente terão essa situação resolvida. Mas vão acabar com isso num pouco espaço de tempo já acedi ao site do zmar e vão mesmo abrir este ano como conseguem estará tudo legal?

Anónimo disse...

A Carrapateira já era uma aldeia calma, agora com esta nova legislação está quase morta, talvez o verão traga uns espanhois... Os pescadores eram os principais clientes dos cafés rosado, samuel e freitas.
Hoje pouco ou nada se vê, idosos sentados a ver os carros passar. Foi o que esta nova legislação trouxe e os governantes do poder: atiraram as pessoas para os bancos dos jardins, tascas e criminalidade, qualquer dias vamos todos roubar para comer que isto esta uma miséria é tudo a fechar. É a morte anunciada, só que me faz confusão é que o anuncio só prejudica os pobres e indefesos que residem no parque, os grandes interesses enconomicos e turísticos de privados vão tomar conta disto e sugar até ao tutano tudo e mais alguma coisa, vão ver.

Anónimo disse...

abril a acabar e alterações nada, mais uma mentirinha e promessas por cumprir.

Sargus disse...

"abril a acabar e alterações nada, mais uma mentirinha e promessas por cumprir."

É um facto ao qual apenas podemos constatar a realidade.

Duvido muito que algo se faça, ainda em Abril ou Maio, e uma vez mais, somos enganados com falsas promessas.

Parece que na base do dialogo não vamos lé, ou ainda não apreendemos a tirar as elações devidas.

Assim a paciência tem limites!