Lontra vestigios





Numa jornada de spinning, detectei pegadas que muito provavelmente correspondem com as da lontra, identifica-se cinco dedos claramente, a lontra acenta a pata por completo no solo, detectando-se também a base de sustentação conforme demonstra a foto o que se designa por plantiguadia.


O rasto da vegetação e entrada no areal de uma praia, muito provavelmente em busca de alimento, situação que se verificou durante a noite uma vez que a maré se encontrava em baixa mar ao romper do dia.


A lontra é um animal mamífero da sub-família Lutrinae, pertencente à ordem carnívora e à família dos mustelídeos.

Vive na Europa, Ásia, África, porção sul da América do Norte e ao longo de toda a América do Sul, incluindo o Brasil e a Argentina.

Seu habitat é no litoral ou próximo aos rios onde busca alimentos como peixes, crustáceos, répteis e menos frequentemente aves e pequenos mamíferos.

Geralmente a lontra tem hábitos nocturnos, dormindo de dia na margem do rio e acordando de noite para buscar alimento.

Os grupos sociais são formados pelas fêmeas e seus filhotes, os machos não vivem em grupos e só se junta a uma fêmea na época de acasalamento.

O período de gestação da lontra é de cerca de 2 meses e ao fim nascem de 1 a 5 filhotes.

A lontra adulta mede de 55 a 120 centímetros de comprimento (incluindo a cauda) e pesa até 35 quilos.

Embora sua carne não seja comercializada em larga escala a lontra faz parte da lista de animais ameaçados de extinção principalmente pelo alto valor da sua pele e pela depredação dos ecossistemas aos quais a lontra está adaptada.

Esse animal possui uma pelagem com duas camadas, uma externa e impermeável e outra interna usada para o isolamento térmico.

O corpo por sua vez é hidrodinâmico, preparado para nadar em alta velocidade.

A lontra é capaz de assobiar, chiar e guinchar.

Pode ficar submersa durante 6 minutos e ao nadar pode alcançar a velocidade de 12 km/h.

Fonte: Nicola Bianchi

+ info: SIC Costa Sudoeste Lutra lutra

Fonte: Wikipédia

4 comentários:

xandre disse...

Já tenho saudades de ficar a ver as lontras na "piscina" .... que se lixe a pesca.

Abraço

xandre

Lia disse...

Olá Fernando,

post interessante sobre as lontras. E se me permites gostaria de deixar mais algumas informações.
Porque é considerado que aqui no nosso cantinho as lontras adaptaram-se ecologicamente a viver em ambientes marinhos, portanto se para nós é comum imagina-las a passear na praia, não é tão comum no resto do país e da Europa. (http://portal.icnb.pt/NR/rdonlyres/EB8DF57A-16E8-4B3A-B19C-00EA31690A2E/0/SIC_Costa_Sudoeste.pdf )
E a espécie que temos Lutra lutra, lontra-europeia, não é a mesma que existe na América, lá existe a Lutra felina, considerada a verdadeira lontra marinha (América do Sul).
http://portal.icnb.pt/NR/rdonlyres/629E817A-8ACA-4938-B0CA-4F2A24048415/0/Lutra_lutra.pdf

O teu blog é sempre muito informativo, que espero que não te importes com estes pormenores.

Bjo e ver se um destes dias voltamos a falar de pesca
Nélia

Sargus disse...

Viva Sr. Xandre...

Espero e faço votos que tudo esteja melhor...

As lontras na piscina já há algum tempo que não as observo (verão), o que tenho reparado é num aumento considerável das mesmas junto à costa, sensivelmente passaram uns 10/15 anos desde a primeira vez que observei um mamífero destes entre o Cabo Sardão e o Almograve, entretanto tenho visto sinais e observado as meninas em vários locais.

Quanto à pesca, que se lixe, é isso mesmo, mas faz tão bem e sabe tão bem, mais que não seja o simples pegar na cana ou máquina fotográfica e partir rente a um troço da linha de costa à procura de algo diferente...

Continuo à espera...

Abraço e Força BRO!

Sargus disse...

Olá Nélia.

Desde já o meu agradecimento pelo comentário e contributo pelas informações.

A questão das lontras é algo que quero desenvolver, mas tem-me faltado tempo e um registo fotográfico das meninas, estes vestígios tem sido comuns num local mais preciso, embora as tenha visto em variadíssimos locais desde Nascedios até Odeceixe.

Quanto ao comentário, claro que não me importo desses pormenores, até agradeço e quando me disponibilizam informação gosto de a divulgar no blog, por isso estás à vontade...

O teu trabalho está quase elaborado, espero que sim, desejo as maiores felicidades e força nisso.

Quanto a falar de pesca já sabes eu e o Zé estamos disponíveis.

Bjo.