Montagens Bóia/chumbadinha

O objectivo:


As técnicas:


6 comentários:

S. Ferreira disse...

Técnica letal para os sargos na maioria dos pesqueiros. Só a utilizo há uns 4 anos no mar e fiquei rendido. Permite colocar a iscada em lugares impossíveis.
É definitivamente uma montagem do outro mundo;)

António Simões disse...

Viva Fernando, duas duvidas para colocar de um pescador pouco vocacionado para a boia, embora pesque aos robalos de noite num paredão mais lugubre e feérico que o mundo das trevas da terra média de J.R.Tolkien em "O Senhor dos Aneis".
Sempre julguei e pelas técnicas de outros Mestres que o chumbinho da boia era colocado 50,60 cms acima do anzol.Neste sistema o sargo desconfiado como é come na mesma com o chumbo á vista??Segunda duvida,na chumbeirinha, o sistema é para pescar a prumo de cima da rocha ou lança-se para a frente e vai-se dando linha ao sentir???
Boas.

Abraço
António

Sargus disse...

Viva caro amigo Sérgio,
Desde já o meuu agradecimento pelo comentário e testemunho.

Na realidade são duas técnicas que não podem ser menosprezadas para quem quiser fazer umas boas capturas, e curiosamente a chumbadinha "light" dá nos a particularidade de capturarmos peixe maior, pela forma natural que essa mesma técnica se desenvolve após o lançamento.

Concordo plenamente com a tua afirmação, "definitivamente uma montagem de outro mundo", mas como sabes e tiveste a experiência, não são apenas as montagens que funcionam, teremos de ter a plena consciência onde estarão as presas pois sem isso não vamos a lado nenhum ;)

Grande abraço.

Sargus disse...

Viva caro amigo António,

Respondendo às duvidas:

1 - A distancia fica ao critério de cada um, não gosto muito de colocar chumbos fendidos pois podem "ofender" os estralhos, mas utilizo-os mais no inverno para carregar em peso com mares mais mexidos, isto na bóia.

Por outro lado com a oliva o sargo não desconfia, e se desconfiar, nem de outra maneira, desconfiam quando não há águagem oxigenada, muito sol a bater na água, sombras nossas em movimento a insidir na água, más engodagens, sargues ou escamas de outros sargos na água, etc. A minha experiência levou-me a aderir ás olivetes e não aos chumbos fendidos, nem já quero outra coisa à bastantes anos, os chumbos chegam a vir todos mordidos, alguns sargos engolem-nos mesmo até à guela...

2 - A técnica da chumbadinha/engano pode ser utilizada em qualquer dos casos porque é bastante versátil, a promo ou tento, a lançar para o meio dos caneiros e entradas de água, para zonas de rebentação, para o meio de uma baía, etc... Quando a chumbadinha caí na água, costumo dar-lhe uns 2 a 8 metros de fio comforme a profundidade, colocando a cana para trás das minhas costas com o carreto aberto, e vou sentindo gradualmente o chumbinho e os toques do peixe, mas pareçe mais complicado do que o é, na realidade é muito simples, pratico e com bastantes resultados.

Abraço.

pescalho disse...

Boas caro amigo, mais uma vez venho lhe colocar uma duvida na pesca á boia.
Vi no blog do amigo(bom blog) no artigo de calibrar a boia que utiliza uma olivete de 2/3gr a correr até ao anzol.
A minha dúvida visto que aqui por Aveiro se aproxima a época do sargo(e eu n atino ) éra saber como devo proceder dado que se utiliza boias de 15 a 25 gr.
Será que por exemplo para uma (BOIA de 20gr) devo colocar um chumbo fendido na linha madre de 10gr e fazer un estralho de uns 3 metros e colocar na mesma uma olivete de 2/3 gr a correr ate ao anzol??
Aqui pesca-se em paredões com a corrente a trabalhar paralelo aos mesmos, dai n se poder utilizar boias ligth.
Agora q vai começar a época do sargo e tenho la a minha power strike para dar neles, gosto bastante dela .
Mais uma vez obrigado e continuação de boas pescarias.

Sargus disse...

Viva Pescalho,

Por exemplo, se estiveres a utilizar uma bóia de cortiça ou esferovite calibrada a 25 ou 30 gramas não tens qualquer problema em utilizar 2/4 gramas numa olivete de correr numa montagem.

Em bóias mais leves terás de "testar" a calibragem das mesmas, por exemplo uma boia mais leve pode trazer a calibragem dela propria de origem, colocada pelo fabricante, que corresponde praticamente à realidade, algo bem diferente do exemplo que te dei no paragrafo anterior. Agora a 15 ou 20 gramas teremos de colocar 10 ou 15 gramas de leastro a seguir à bóia e o olivete de correr de 2 até 5 gramas máximo.

O teste de calibragem de bóias pode ser feito numa poça ou mesmo na água lançando sem montegem observando a bóia na água concluímos com alguma facilidade se a bóia esta boa para levar mais o peso do olivete na montagem ou não.

APower Strike é mesmo uma belissíma cana.

Penso que dá para ter uma ideia mas em caso de alguma duvida poderás coloca-la.

Abraço caro amigo.