Quando as artificiais não resultam é tentar com sardinha...


No passado sábado foi tempo para mais uma jornada de fim de semana. No romper da manha foram uns lançamentos ao spinning, que apenas resultaram num exemplar com aproximadamente 30 cm que foi devolvido ao mar.

Mudando de local e de pesqueiro, pois tinha começado o enchente, foi altura de trocar de cana, e sujar as mãos com sardinha.


A água no inicio do enchente apresentava-se com tonalidade escura (tapada).

Em cima do pesqueiro escolhido, e após o inicio da engodagem (apenas um sinal), a sondagem nos melhores "spots" revelou-se negativa, pois nem pescando mais fundo as safias acusaram (espécie que não pesco directamente).

Num contexto à parte da pesca, embora que relacionado indirectamente pela possibilidade de registar através da fotografia imagens desta forma, que de terra, não são efectuadas pelo mesmo ângulo.


Á medida que o nível da maré ia subindo, ia efectuando algumas capturas, e alguns bons exemplares que se soltaram, acima dos maiores capturados foram oito no total, pelos dois maiores que capturei estavam a ferrar pelo beiço, e um exemplar de bom porte quando ferrado pelo beiço ao debater-se na luta inicial por norma solta-se ao rasgar o beiço.

Foram efectuadas algumas capturas, embora não me tivesse importado mesmo nada em ter capturado apenas aqueles que se soltaram em detrimento dos que capturei efectivamente, mas na pesca não se pode ter tudo, fica para a próxima que é já amanha...

2 comentários:

PêJotaFixe disse...

Amigo Fernando,
O que conta são aqueles que vêm para dentro da saca e...mesmo assim... eheheheh não vá vir o mar resgastá-los... AHAHAHAH ; ))

Abraço e saudações piscatórias

Sargus disse...

O resgate dos sargos RYAN, numa pedra perto de si, brevemente.

;)