Sensibilização do Pescador

=> Não subestimar o mar, pois as ondas mais pequenas e aparentemente inofensivas podem na realidade tornar-se bem maiores (ondas de energia), e elevarem-se a alturas superiores ao que pensamos.










=> Não arrisque, tente que a sua jornada de pesca seja efectuada de forma segura e em segurança, um exemplar ou vários não valem a nossa vida nem tão pouco a devemos colocar em risco.


=> Evite pescar à noite em falésias, a não ser que redobre os cuidados e o faça com conhecimento ou com alguém experiente e muito cuidado pois a falta de visibilidade poderá originar a deficitária analise das condições do mar e respectiva ondulação.

=> Muita atenção com a escolha do tipo de calçado e respectivas solas, as lamas, pedras soltas, limo ou algas poderão fazer-nos perder o equilíbrio originando fracturas ou mesmo quedas de alturas que poderão ser fatais. Tente evitar o uso de botas de borracha pois são um perigo em caso de queda ao mar.
Os vadeadores são para ser usados com o cinto de segurança, pois nunca sabemos o que pode acontecer.












=> O vestuário é muito importante, não só para nos causar conforto e protecção contra o vento e frio, mas também em caso de queda à água ou eventualmente ser-se arrastado por uma vaga, a roupa inadequada poderá dificultar-nos a natação.

=> Certifique-se que conhece o local onde vai pescar, ou em ultimo caso faça uma analise razoável por alguns minutos antes de descer, observe a ondulação, as correntes, a altura das vagas, as escoas da água, etc.

=> A acção da ondulação podem variar em poucas horas, entenda e compreenda as marés, por vezes um local na baixa-mar é bem mais seguro que na preia-mar ou vice-versa.


=> Nas descidas de falésias muita atenção às pedras soltas, principalmente se for acompanhado com um ou mais amigos, desça por etapas e os seus amigos também, pois a queda de pedras pode causar desequilíbrios ou mesmo ferimentos bastante graves.

=> Evite pescar sozinho pois poderá sofrer algum acidente e sozinho ninguém o poderá ajudar, informe também alguém onde irá fazer a jornada.


=> Faça-se acompanhar por um telemóvel, poderá ser uma grande mais valia em caso de acidente, para si ou para outras pessoas.

=> Se não souber nadar razoavelmente ou tiver problemas físicos (condição física fraca) não se aventure perto da linha de água, poderá não conseguir enfrentar o mar e entrar em pânico o que poderá culminar com uma tragédia.

=> Quando chegar ao pesqueiro analise varias saídas ou fugas de emergência se estiver perto da linha de água e o mar estiver com ondulação no local onde estamos na rochas, mas também em caso de cairmos à água, se o fazemos para retirar um peixe também o podemos fazer para conseguirmos escapar a uma onda ou grupo de ondas.

=> Nunca, mas nunca vire as costas ao mar, nem que esteja a vinte ou trinta metros da linha de água, isso irá a médio prazo dar-nos uma mais valia em termos de segurança pois estamos sempre a observar o mar, e com isto não somos surpreendidos.

=> Lembre-se sempre deste número CODU - Centro de Orientação de Doentes Urgentes 112 ou 117, poderá salvar-lhe a sua vida ou a vida de alguém.


12 comentários:

Miguel Coucello disse...

Muito bom, mais um artigo que deveria ser considerado de utilidade publica :)

Sargus disse...

Viva caro amigo Miguel, na minha humilde opinião nunca é demais falar ou relembrar deste aspecto que tantas vidas tira todos os anos, infelizmente.

Obrigado pelo comentário.

Grande abraço.

Dani disse...

tienes razón,la mar es traicionera y muchas veces no perdona.Hay que andarse con ojo y nunca hay que confiarse.
un saludo

Ricardo disse...

É com esta persistência em alertar que se conseguem mudar costumes e mentalidades.

E neste caso, às vezes mudar uma mentalidade é salvar uma vida!

Parabéns e continua!

Ricardo Silva

António Simões disse...

Muito bem Fernando,

Isto sim, é escrever sobre o mundo da pesca numa atitude global,reflectida, responsavel.
Para nós defensores de ideais justos , equilibrados, sensatos ,na defesa da orla costeira, das espécies marinhas, habitats naturais,etc, etc,Também passa pela formação e informação dos pescadores ludicos/desportivos dos riscos inerentes a este nosso desporto preferido.
Havemos de lá chegar. A luta vai continuar, porque não abdicamos das nossas convicções por um mar rico , sustentavel para as proximas gerações vindouras.

Abraço
António

Sargus disse...

Hola Dani, graçias pelo comentário la mar no tiene amigos...

Um cordial saludo.

Sargus disse...

Viva caro amigo Ricardo Silva, era bom que assim o fosse, era um sinal que verdadeiramente daria frutos dentro do objectivo a que se propõe.

Grande abraço.

Sargus disse...

Viva caro amigo António Simões, na realidade creio ser este o ponto inicial na pesca, na formação de futuros pescadores, sensibilização de riscos e meios de os evitar, porque ninguém prevê um acidente ele acontece naturalmente se forem quebrados certos pontos.

A luta vai continuar, sempre desde que haja pessoas com fins a atingir em prol do sustentável. Que direito temos nós de destruir um património que é de todos, ou destruirmos o que temos hoje os nossos filhos ou netos nunca vão ver nem sentir o que temos na actualidade se não estimarmos.

Abraço caro amigo.

Fernando Corvelo disse...

Fernando,
Mais um bom post. Torna-se um hábito, mas a vida faz-se de bons hábitos.
Concordo plenamente com os teus "conselhos" pois quantas vezes nao se arrisca para tentar ir apanhar mais um peixe e acaba-se por perder a vida.
Abraço,

Sargus disse...

Viva caro amigo Fernando Corvelo, por vezes é complicado pois a adrenalina das capturas mexe connosco, as inconsciências mexem connosco, a falta de conhecimentos de leitura mexe connosco, e ocorrem acidentes graves ou fatais...

Já vai sendo altura de colocarmos um travão nisso.

Grande abraço.

S. Ferreira disse...

Conselhos sempre úteis para os malucos e inconscientes da pesca, que correm os mais variados riscos, apenas por causa de um peixe.
Fotos muito boas, como é característico dos teus artigos.

Um abraço,

Sargus disse...

Boas Sérgio, são alguns conselhos e dicas que podem fazer a diferença entre o estarmos bem e o ficarmos mal para não falar em tragédias...

Muita coisa ficou por dizer ainda, mas já é um começo, são aspectos que ao longo dos tempos tenho vindo a clarificar pela experiência que esta linda mas traiçoeira costa alentejana me tem demonstrado.

"O mar quer apanhar os medrosos porque os foitos tem ele certos!..."

É um provérbio tradicional que muitos de nós ouvimos sem lhe darmos muita atenção, mas é mais que certo.

Obrigado pelo comentário.

Grande abraço.