A Segurança na Pesca - Espécies Perigosas

Tanto em casa como no exterior, estamos sujeitos a picadas ou mordeduras de animais, que podem inocular diferentes tipos de veneno, sendo que alguns são tóxicos para o nosso organismo. Outros há que apenas afectam as pessoas alérgicas a um determinado veneno animal, sendo perfeitamente tolerado pela maioria.

Assim e porque encontramos animais perigosos também no mar, quero alerta-vos para alguns deles, com ênfase nos que, nas nossas jornadas de pesca, encontramos com regularidade.

Este alerta é extensivo àqueles que embora não pesquem, interagem com o mar e podem também eles estar sujeitos aos perigos que a Natureza nos reserva.

Urge identificar os perigos para que possamos lidar com eles de forma a elimina-los ou pelo menos, minimiza-los.


PREVENÇÃO:

a) Evite o contacto.
b) Não meta a mão ou o pé em buracos entre as rochas ou debaixo de pedras sem se assegurar previamente de que não à nenhum animal.
c) Se notar um sobre as suas roupas, afaste-o com um jornal enrolado ou outro objecto, nunca com a mão.
d) Durante a noite no caso da captura de um peixe, assegure-se de que espécie pertence e tenha cuidado com a forma como o agarra.
e) Não ande descalço entre as rochas situadas na orla marítima ou na praia.
f) Mantenha uma distancia cómoda de segurança quando lida com certas espécies de exemplares, principalmente atenção ao seu manuseamento.
g) Os ferimentos provocados pelo peixe podem ocorrer mesmo com ele já morto, ao amanhá-lo ou manuseá-lo.


ESPÉCIES QUE MORDEM OU TRITURAM:



- MOREIA (Muraenidae): Algumas espécies poderão chagar aos 3 m de comprimento e 30 cm de diâmetro, estamos perante uma "ginasta" extremamente perigosa, embora só ataque quando é provocada ou ameaçada, situação claramente verificada quando é capturada, pela forma e ataque ofensivo que apresenta, chegando a morder-se a ela própria, deveremos ficar atentos ás suas movimentações e longe dos seus aguçados e perigosos dentes, pois do seu ataque resultam feridas dilaceradas que infectam á posterior.



- SAFIO (Conger conger): Possuem um maxilar muito potente que tritura facilmente os delicados dedos das nossas mãos se de um bom exemplar se tratar.



- TUBARÃO: A sua boca é guarnecida com poderosos maxilares e dentes completamente aguçados e cortantes, a sua pele também é abrasiva. Apenas algumas espécies, cerca de 30, das conhecidas 350, terão atacado o Homem, será de salientar os tipos de ataques que esta espécie poderá causar, é agressivo de forma a afastar do seu território ou zona qualquer intruso e em caso de persistência parte para a agressão de facto.
Algumas espécies apresentam um poder de dentada/maxilar de 1 Ton/cm2.


Usada pelo grande tubarão branco, a dentada e espera é uma táctica letal, embora outras sub-espécies a possam utilizar, consiste na dentada/ataque e consequente espera até que as vitimas se esvaíram em sangue.
Devido ás lesões causadas pelo contacto com a pele abrasiva dos tubarões o contacto com a sua pele pode causar danos.
O delírio é quando vários tubarões atacam a mesma vitima chegando a atacar-se uns aos outros nessa fase.



- PEIXE-PORCO/PAMPO (Balistes Carolinensis): Possuí uns dentes muito afiados e um maxilar muito potente, em caso de dentada nos membros superiores originará danos severos.


- NAVALHEIRA (Necora puber): Como quase toda a maioria dos crustáceos possui duas pinças fortes, sendo as mais volumosas observadas nos machos, a Navalheira é sem duvida uma das mais conhecidas das nossas águas pela forma e génio que responde quando se sente ameaçada, poderá causar bastante dor quando exerce a sua força de pinças nos nossos membros superiores, poderá também causar unhas negras ou pequenas feridas, dependendo da forma e local onde morde.



- BARRACUDA (Sphyraena Barracuda): São animais predadores, munidos de dentição muito perigosa e aguçada, como tal será imperativo mantermos os membros superiores afastados da sua boca.



- ANCHOVA (Pomatomus Saltatrix): São igualmente animais predadores similares à Barracuda, munidos de dentição bastante aguçada e potentes maxilares, deveremos ter os mesmos cuidados e não colocar os membros superiores perto da sua dentição.



- POLVO (Cephalopoda): Não são agressivos para os humanos, mas devemos por norma manter mo nos longe dos seus dois dentes similares aos de um papagaio, são poderosos pois são utilizados pelos mesmos para partir mexilhão.

PRIMEIROS SOCORROS: Poderão variar efectivamente, pois dependendo do tipo de dano ou lesão que poderão causar, assim será o primeiro socorro, embora exista uma forma básica de intervenção que será;

- Colocar a vitima num local seguro;
- Parar a hemorragia, desinfectar a mesma ou lava-la;
- Imobilizar ao máximo a vitima;
- No caso de mordedura venenosa, fazer uma ligadura compressiva no sentido de evitar que o veneno se espalhe;
- Procurar assistência médica urgente (112);

ESPÉCIES QUE PICAM:

São espécies que provocam dor ou incapacidade por possuirem veneno em ferrões, espinhas ou maxilares munidos de dentição aguçada e bastante perigosa. Eventualmente algumas espécies só aplicam o seu veneno quando são atacadas, já outras aplicam o seu veneno ofensivamente e não em caso de contra-ataque/defesa.



Nas nossas águas oceânicas existem algumas espécies bastante conhecidas pela sua abundância por toda a costa embora infelizmente sejam conhecidas das vitimas pelo facto de introduzirem veneno bastante doloroso no Homem, como é o caso do Peixe-aranha (Trachinus Vipera) ou o Rascasso (Scorpaena Porcus), no caso do Rascasso poderá causar ferimentos dolorosos, sangrentos e graves inflamações com as suas picadas.



-OURIÇOS DO MAR (Centrostephanus Longispinus): Apenas produz dores intensas quando aos seus espinhos ao picarem a pele se partem, ficando esses pedaços alojados no nosso corpo, dependendo do local onde se alojarem darão mais ou menos dor, mas causarão algum incomodo até serem removidos ou o nosso organismo os expulsar.



- RATÃO (Dasyatis Centroura): O Ratão como vulgarmente é conhecido, possui um espigão que tem na ponta da cauda que é utilizado para sua defesa ou em caso de se sentir ameaçado, já ocorreram vários acidentes, inclusive vitimas que foram atingidas mortalmente com este ferrão.




ESPÉCIES QUE CORTAM: São espécies que provocam dor ou incapacidade por possuirem uma forte e fina "alheta" (osso da cabeça que protege as guelras externamente), que poderá provocar grandes e profundos cortes nos membros superiores, por exemplo podemos salientar como o conhecido Robalo (Dicentrarchus Labrax), possuem lâminas afiadas na zona na cabeça, que produzem golpes profundos e muito dolorosas.



ALFORRECAS: Provocam inflamações, ardores, comichão, inchaços no caso de serem locais, embora organismos diferentes possam seriamente ser mais vulneráveis a estes contactos e poderão originar insuficiências respiratórias ou até mesmo a própria morta. Existindo algumas espécies desta família as que mais se destacam pela sua perigosidade é a Caravela Portuguesa (Physalia).



-ANÉMONAS (Anemonia Sulcata): Toda a nossa faixa litoral rochosa podemos encontrar estas espécies que quando são tocadas nos seus tentáculos urticantes poderão originar reacções locais ligeiras como o inchaço e comichão.



-TREMELGA OU RAIA ELÉCTRICA (Torpedo Torpedo): Pode dar descargas eléctricas que poderão atingir os 220 Volts, poderá portanto originar um desmaio com a sua descarga.

PRIMEIROS SOCORROS: Poderão variar efectivamente, pois dependendo do tipo de dano ou lesão que poderão causar, assim será o primeiro socorro, embora exista uma forma básica de intervenção as substâncias tóxicas que estes seres nos injectam são na sua maioria termolábeis (neutralizadas pelo calor), como tal deveremos;

- Colocar a vitima num local seguro;
- Parar a hemorragia (se for o caso), desinfectar a mesma ou lava-la;
- No caso das alforrecas é importante não tocar na zona atingida devido ás partículas urticantes, deverá ser lavada com água, em seguida a zona afectada deverá ser imergida em água muito quente (45ºC aproximadamente), devendo ter o cuidado de introduzir parte do corpo circundante à zona afectada de forma que o acidentado tenha a percepção da temperatura e não sofra uma queimadura secundária.
- Como alternativa a utilização de vinagre na zona afectada é uma boa solução.
- Em casos mais graves deve procurar assistência médica urgente (112);

Fotos: (www.fishbase.org)

6 comentários:

sargoloco disse...

MUITO bom artigo, Fernando.

Haces trabalhos muito documentados e valiosos, com grande trabalho e esforço.

Parabéns.

Sargus disse...

Graçias Carlos.

É um prazer e gosto que tenho pelo mar, fauna e flora, tento conhecer.

É um ponto que se deve dar relevo, la seguridad en una jornada, tem muchos perigos este é un deles.

Saludo

Zacarias disse...

Muito bom comentário e relato sobre as especies mais perigosas.

Parabens

Sargus disse...

Viva caro Zacarias, obrigado pelo comentário.

Abraço.

David disse...

Magnífico articulo. Te doy las gracias.

Sargus disse...

Hola David, muchas graçias pelo comentário.
Nom mucho completo, mas educativo.
Cordial saludo.