Sargos: Primeira jornada de 2016


No ultimo mês, surgiu uma agitação marítima perfeitamente enquadrada na fase do ano que proporcionou um período de tréguas entre pescadores e algumas espécies. Recentemente com as condições para a pratica da pesca apeada em alguns pesqueiros a melhorarem, e seguindo as previsões da pagina do Windguru, decidi preparar o material para a primeira jornada do ano. 

A cana Samurai  equipada com o Regal também da Vega, um balde de sardinhas e um quilograma de camarão congelado, fio 0.25 mm ST Potenza Fluorocarbon da Vega, bóias, anzóis, pequenos chumbos e o fato de 3/2 mm, e tinha tudo preparado para o dia seguinte.

Como as previsões de ondulação andavam entre o 1,5 e os 2 metros, a maré encontrava-se na fase descendente, optei por juntar estes factores um outro bastante importante, a sua alimentação actual. 

E o que estariam os Sargos a comer nesta altura?!


Nesta fase, com aguas mais abertas e mar pouco mexido procuram no enchente os bancos de mexilhão, em especial aqueles mexilhões juvenis, a pouca profundidade que são cobertos na preia-mar, podendo ou não, consoante a tipologia do pesqueiro, concentrar os Sargos em depressões ou paredes de rocha na baixa mar e ai aguardarem para o inicio da nova enchente para continuarem no seu ciclo de alimentação neste local ou num próximo.

Convidei o Filipe Serralha para se encontrar comigo no local escolhido logo pelo inicio da manha para começarmos a descer a falésia assim que tivéssemos iluminação natural para isso.

No dia seguinte, coloquei o material no carro e rumei a um pesqueiro que gosto de frequentar com o mar nestas condições, ao chegar ao local observo o mar um pouco e o meu companheiro chega também ao local.



Vestimos os fatos o iniciamos a descida, preparamos o material, monto a bóia e desloco-me para um pesqueiro, deixando o Filipe num outro a iniciar a engodagem.

A tonalidade do mar estava com uma cor espectacular, ao que normalmente chamamos cor sargueira, mas água não é peixe...


Inicio a "engodagem" afastado, começam a surgir os primeiros peixes, peixe de bom porte intercalado com peixe miúdo, troco de técnica e mudo para a chumbadinha de 3,5 gramas e começo a efectuar as capturas apenas nas quebras de mar, era necessário trabalhar sincronizado com a "engodagem" pois o engodo proporcionava-me algumas boas capturas, pois tive a necessidade de explorar toda a zona e não ficar apenas concentrado num único pesqueiro.


Partiram-me dois bons exemplares, o 0,25 mm, pois estava a pescar numa fenda onde o peixe ferrava no recuo da ondulação, o olivete de 3,5 gramas proporcionava um movimento natural das iscadas de camarão que no ambiente submerso se misturavam com pequenos pedaços de sardinha.

O Filipe num outro pesqueiro apostava na sua continuidade e lá ia engodando e efectuando algumas capturas também à chumbadinha. Efectuamos uma paragem para nos alimentarmos também e aguardar pela subida das duas primeiras horas de enchente, que coincidiram para mais um pequeno período de capturas até terminarmos as iscas, a maré estava na baixa-mar e os Sargos tinham-se afastado, existindo já alguns sinais de Boops boops na água. 


Quando por fim um esquadrão das Boops boops chegam ao local surge a necessidade de contornar este problema, utilizando engodo mais pausado e pescando em zonas com alguma agitação, que lhes proporcione uma zona de desconforto onde as mesmas não entrem, e ai apostar as ultimas iscas. Efectuei mais algumas capturas de Sargos de bom porte a cerca de 0,4 - 0,6 metros de profundidade em cima de um estrado que por vezes ficavam em seco.

E com o final das iscas (camarão congelado) demos por finalizada esta primeira jornada de pesca ao Sargo. É que já estamos  muito próximos do período onde existe a restrição da pesca do Sargo entre o dia 1 de Fevereiro e 15 de Março, infelizmente apenas os pescadores apeados sofrem desta restrição.

9 comentários:

Pedro Nunes disse...

Comé Fernando!
Já viraste aí uma boa macheia de sargos porreiros... O pessoal tem andando por aí em cima deles, cá para baixo também os tiraram na semana passada, mas eram mais de 100 cães a um osso, nunca tinha visto uma coisa daquelas... Pesqueiros muito afamados e de fácil acesso dá nisso..
O pessoal este mês quer aproveitar antes que venha a proibição.
Parabéns pela faina e um abraço, força aí.

Paulo Cabrita disse...

Mékié Fernando,
Com o mar de rojo ainda fizeram uma pesca porreira, parabéns aos dois! ; )

Saúde e grande abraço ao Filipe ; ))

Anónimo disse...

Bela pescaria muito bem para a primeira não está mau venham mais

Sargus disse...

Viva Pedro,
Sim o mar lá baixou e com isso não falha...
Este ano vai ser um ano de muito sargo, por enquanto por estes lados ainda não apareceram os grandes, mas deve estar para breve.
Grande abraço e boas pescarias ai para baixo.

Sargus disse...

Boas Paulo,
Por aqui quero é que ele esteja assim...
Grande abraço

Sargus disse...

Boas, sim para a primeira não está mau, teria sido melhor se fossem menos e maiores.
Cumprimentos

Unknown disse...

Uma boa jornada . Uma ida a pesca com o sr Fernando é sinónimo de sargos.
Para mim talvez dos melhores pescadores que tive o prazer de acompanhar.
Tanto nas técnicas de pesca como na leitura da escolha do pesqueiro.
Um grande mestre na arte da pesca com continuo a aprender.
Espero 2016 nos traga saúde e muitas pescarias

Sargus disse...

Filipe o Sr. está no céu...
Correu bem, tivemos sorte, a sorte conta também...
Vamos dando uns toques e empatando uns anzóis, rezando muito e por vezes somos brindados por umas ofertas de Neptuno ;)
O mais importante é que vamos e regressamos em paz e tranquilidade, é por isso que gosto tanto da pesca, se trouxermos uns peixinhos, melhor...

Grato pelo comentário

Nuno Caçorino disse...

Fernando,
Para o début em 2016 não se saíram nada mal: bonitos, bons e muitos! Continua a dar-lhe forte e feio! Em Março, já poderemos combinar uma incursão para as ilhas para apanhar uns valentes sargos! Grande abraço e tudo a correr bem.