Macro Navalheira - Nacora puber

O macho da Navalheira (Nacora Puber) salta à vista pelo volume do seu corpo e pelas suas garras em forma de pinça (o Dáctilo e Própode).


O Própode corresponde com a parte fixa da pinça, sendo o Dáctilo a parte articulada da pinça (estando representado a parte exterior da garra ou pinça).

Na parte interior da pinça, podemos observar as partes rugosas da pinça que lhe conferem uma maior aderência às presas ou maior dor aos seus atacantes.

O pequeno bico acima do Dáctilo serve para a mesma se fixar nos buracos e fendas submersas aquando do mar mais forte, podendo verificar-se que quer essa parte como a ponta do Própode e Dáctilo estão gastas, correspondendo a um macho com uma certa idade.

Como de uma armadura se tratasse este crustáceo dispõe dos dois braços que para além de ser a sua principal fonte de alimentação, também o é como a principal arma de defesa e de ataque, se repararmos a sua boca, visão e parte do abdómen é defendida com estas poderosas pinças.

O exoesqueleto que compõe a estrutura externa deste crustáceo é também apropriado para que o mesmo não se desidratem quando estão expostos ao sol, dando-lhes a competência para andarem fora de água também, para além da protecção dos músculos e órgãos internos.

O ultimo par de pernas possui uma característica bastante diferente das outras, uma vez que a sua finalidade é a de locomoção em águas abertas.

Tipicamente apresentam dois pares de antenas (antenula e antena) na cabeça, olhos compostos (são formados por muitas facetas simples que dão uma imagem pixelada, e que podem dar um campo de visão de 360 graus sendo muito sensíveis ao movimento.) e três pares de apêndices bucais .

São caracterizados por terem o corpo totalmente protegido por uma carapaça (exoesqueleto), cinco pares de patas, (pereópodes) o primeiro dos quais normalmente transformado em fortes pinças, e geralmente o abdómen reduzido e dobrado por baixo do cefalotórax.

As diferentes tonalidades que o exoesqueleto é composto concede-lhe um mimetismo, características que os confundem com um outro grupo de organismos, semelhança essa em termos de coloração, textura, forma do corpo e comportamento devendo conferir ao mímico uma vantagem adaptativa, neste caso quando este crustaceo esta perante uma flora diversa é muito dificil de se distinguir.

Pode observar-se a existência de simbiose entre este crustáceo e uma pequena craca.

2 comentários:

Anónimo disse...

fotos muito boas parabéns, parabéns também pela parte educativa do artigo.
Abraço.

Sargus disse...

Viva desde já obrigado pelo comentário.

As fotos acho que foram explicitas e os textos também, para quem quer saber um pouco mais do que a simples observação desta espécie.

Obrigado.