Regresso ao Spinning


No dia anterior tinha explorado novas zonas, e durante a pesca aos sargos, foi observando a zona, as sedimentações de areia, a ondulação, tendo concluído que no dia seguinte seria tempo para lançar uns artificiais.

E assim foi, apenas munido com o equipamento de Spinning (bastante mais leve que o material para a pesca do sargo), lá me fiz ao local observado, eram umas nove horas da manhã, estranhamente dei comigo a pensar que nos dias anteriores levantava-me cedo e iniciava as jornadas ainda com algumas horas de escuridão até que amanhece-se e agora iniciava tão tarde...


Aos primeiros lançamentos ferro um exemplar que pouco maior era que a Slash Minnow, foi devolvido, ao fim de três ou quatro lançamentos ferro outro exemplar, este era um belo robalo, pela luta que estava a proporcionar, já com o mesmo perto de mim vejo que se tratava de um exemplar de uns três quilos, investe em pouca água e solta-se, a uns três metros de mim, nabo, pensei eu...

Mais uns lançamentos e mais três exemplares de tamanho inferior ao quilograma, que foram devolvidos.

De seguida ferro dois exemplares, um com 1,400 e outro com 1,200 ambos retirados da água e presos ao fio de cobre colocado à cintura, encontrava-me sobre um banco de sedimentação.

Resolvo mudar de artificial, desta vez a Saltiga 140.


Volto a lançar e desta vez, foi daquelas experiências únicas, foi um ataque brutal, soltou-se, pensei eu, recupero e lanço mais umas três vezes até que olho para a artificial e vejo que o triplo do meio tinha simplesmente desaparecido...

Já me tinha ocorrido que a oxidação das fatexas iriam mais tarde ou mais cedo me trazer algum dissabor, e aconteceu desta vez, não imagino que peixe era, pelo menos o seu peso, porque foi daquelas coisas de fracções de segundo, nem levou fio, partiu literalmente no ataque e não estavam muito oxidados.

Coloco novamente a Slash e começo a lançar em leque, para tentar bater uma zona maior, foram mais uns vinte ou trinta lançamentos, até que por fim já quase sem acreditar muito ferro o exemplar do dia.

Ainda efectuei mais uns lançamentos e capturei duas bailas, que pelo seu tamanho foram devolvidas.

Peso: 1,200 kg / 1,400 kg / 2,800 kg
Fundo: Areia
Maré: Baixa-mar 
Multifilamento: Dynacast - Bass Braid - Sakura 0,18 mm - 20 lb
Cana: Luxxe Spin - Vega
Carreto: MT 40 - Vega
Artificial: Akada 

4 comentários:

PêJotaFixe disse...

Na lua nova passada também me aconteceu ainda estar a apanhar peixe à uma e às três da tarde... Vá lá uma pessoa compreender isto!
Também me aconteceu, duas vezes, peixe partir duas fateixas novinhas em folha, à estreia!
Epá, faz lá uma pausa nos relatos porque já tenho o teclado do PC gasto de tanto escrever. eheheheh

Saúde e Boas Festas! ; ))

Manuel Oliveira disse...

É Fernando tu nem dás tempo para ler os relatos... :)
Pena o grandão, nem parece teu deixar essa lacuna nas fateixas.. :)
Isso andar perto dos spots e vê-los durante o dia é outra música...
Agora ir às escuras e dar com o peixe é de outro gabarito! :)

Forte Abraço

Sargus disse...

Boas Paulo, relativamente ao teu pedido, apenas te posso dizer que me faltam já só três...

Depois dou por terminado o relato das férias...

;)

Sargus disse...

Manuel, as fateixas é mesmo até acontecer, depois abrimos a pestana...

Foi sorte, apenas muita sorte nestes dias...

;)