Sargo - Capitulo I


Aquela jornada tão esperada, chegara após quarenta e três dias de pura restrição à pesca lúdica, as previsões não podiam ser melhores, após alguns meses de agitação marítima que proporcionou um verdadeiro defeso natural das espécies, este sem margem para estudos científicos ou medidas avulso...

As condições, mar parado, a baixa-mar a iniciar a subida, águas abertas, uma suave brisa, companhia, local nunca dantes frequentado, iscos vivos e q.b., descida de grande falésia e colocar a prancha proa à vaga.


Creio nunca ter visto tanta gente a frequentar o mar num dia assim, mariscadores, caçadores submarinos, pescadores apeados, pescadores embarcados, muita gente ao mesmo, passar umas horas junto ao mar e de preferência capturarem algo, deu para todos, inclusive para frequentarem o mesmo espaço.


Na parte que me tocou, na baixa mar não resisti a sondar o local, escolhendo o que achava como melhor local, quer na baixa mar como na preia mar, e não me enganei, ainda deu para capturar uns perceves, daqueles unha a unha, e pude constatar com dois mariscadores profissionais que frequentaram o mesmo local, que a maresia tinha castigado consideravelmente as pedras, o marisco existe mas é pouco.


Após apanhar alguns perceves dediquei-me exclusivamente à espécie de eleição alvo, Diplodus Sargus. A técnica foi a que normalmente não falha nestas alturas, chumbadinha, ralo e arranha camisas, iscos vivos que marcam a diferença nestas alturas.


Pesquei fundo na baixa mar, a meio da maré comecei a pescar em pouca água terminando a meio metro em cima de um estrado, estava terminada a pesca e o resultado foi este, um belo dia passado com amigos, no meio do mar e a fazer uma das coisas que mais se gosta e com alguns sargos capturados.



8 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Boas Fernando,
Mas aonde é que está o fundo do ceirão??? :)
Fomos abençoados por ter um dia desses magnificos na abertura do defeso!

Forte Abraço

PêJotaFixe disse...

Uma manhã bem passada na companhia dos amigos e com peixe. Que mais se pode pedir?!

Saúde, da boa! ; ))

Pedro Franco disse...

A isso cham-se juntar a fome com a vontade de comer, depois do defeso claro que todos estão desejosos de ir lá matar o bicho.
Foi o vosso caso, com uma sargalhada porreira, e um petisco para beber umas fresquinhas.
Um abraço e continuação de boas sargalhadas.

Sargus disse...

Manuel, o fundo ficou preenchido ainda a maré não tinha começado a encher.

É mesmo fomos abençoados por ter amigos, condições e peixe nesse dia

:)

Grande abraço

Sargus disse...

Paulo, não se pode pedir mais nada para além de voltarmos a repetir a jornada :)

Saudismo, robalismo e sarguismo

Sargus disse...

Boas Pedro,

Depois das restrições impostas por portarias manhosas e a agitação marítima, o pessoal queria era água salgada...

Deu para tudo e para todos...

Um abraço

Ramiro Costa disse...

Qual o tamanho mínimo da pesca do Sargos?

Sargus disse...

O tamanho minimo para a captura e retenção de sargos esta nos 15 cm.
Pode consultar mais informação em:

http://www.dgrm.min-agricultura.pt/xportal/xmain?xpid=dgrm&xpgid=genericPage&conteudoDetalhe=170268

Cumprimentos